segunda-feira, 12 de outubro de 2009

ALENTEJO

ALENTEJO
Palavra mágica que começa no Além e termina no tejo, o Rio da portugalidade.
O rio que divide e une Portugal e que à semelhança do Homem Português,fugiu de Espanha à procura do mar.
O Alentejo molda o caracter de um homem. A solidão e a quietude da planicie dão-lhe espiritualidade, a tranquilidade e a paciência do monge; as amplitudes térmicas e a agressividade da charneca dão-lhe a resistência fisica, a rusticidade, a coragem e o temperamento do guerreiro. Não é alentejano quem quer ser. Ser alentejano não é um dote, é um dom. Não se nasce alentejano, é-se alentejano.
Autor desconhecido:

3 comentários:

Anónimo disse...

Nem Teixeira de Pascoaes diria melhor sobre esta "Arte de ser Português", nem José Régio nos seus poemas de Portalegre!
Bom artigo. O Alentejano tem uma filosofia de vida incompatível com a modernidade stressante, porém das mais filosóficas deste país: a lonjura que alcança o seu olhar, a beleza da terra e do mar, a rudeza do clima, a fecundidade da terra, tudo e tanto mais, faz do Alentejano um português diferente. Sempre o foi.
Parabéns pelo blog!

Angel disse...

Gostei do blog, bem concebido graficamente e muito melhor de ideias e texto. Venho da visita ao antigo.
Apenas uma sugestão sobre a música: que tal colocarem uma daquelas simples mas tão significativas canções alentejanas como a "Sr.a Cegonha"? O Alentejo também é isso: o respeito e o carinho pelos animais.
Gostei muito deste lugar, vou seguir, vou voltar.

Anónimo disse...

ahhhhh agora sim! Uma pessoa lava a alminha ao ou vir estas verdades!
Vamos à luta!
Angel